terça-feira, 22 de setembro de 2009

Cabo Verde que nos chega cá fora

Será que temos 2 nação,uma que se dá a conhecer ao exterior e outra para o "consumo" e apreciação interna?No geral,para os emigrantes cabo-verdianos o país está bem e recomenda-se:o crescimento do parque habitacional,a aposta nas infraestruturas rodoviárias,o reconhecimento de várias instituições internacionais (que,diga-se de passagem,confere mais confiança do que a oposição partidária no país) e o controlo das finanças pública,tudo isto,contribui para a boa imagem da governação do país no seio dos emigrantes (é claro que haverá sempre emigrantes que discordam de tudo o que acabei de escrever).No geral,os emigrantes têm uma boa imagem da governação do actual governo e do 1º ministro.Contudo,também existe o Cabo Verde "sentido" e vivido pelos que estão no país.Qual é o "sentimento" geral da população sobre o estado do país?Na verdade,ninguém saberá responder com propriedade a essa pergunta uma vez que as nossas empresas de sondagens ainda não "criaram" o hábito de fazer estudos desse tipo regularmente.Assim,resta "ouvir" a opinião da oposição político-partidária e as noticias dos jornais.Básicamente,são estas queixas em relação ao governo: em lugar de destaque,o desemprego (se concordo que o desemprego é alto,não entendo a insistência de alguns em continuar com a ideia de que o desemprego aumentou;pelo contrário,segundo o inquérito do iefp/ine,o desemprego era de 24,4% em 2005,baixou para 18,3% em 2006 e ficou nos 17,8% em 2008;contudo,repito,o desemprego diminuiu mas continua alto),a pobreza (onde também poderíamos usar o mesmo argumento usado atrás em relação ao desemprego),a Electra e os TACV (2 problemas bicudos em sectores sensíveis),a deliquência e criminalidade (onde claramente o governo não tem dado conta do recado).
Tenho para mim que a nação será sempre uma e só uma;essa divisão que existe é apenas virtual e é fruto do jogo político.Infelizmente,como nunca haverá um governo perfeito e uma governação perfeita,iremos sempre encontrar essas duas leituras da realidade do país.
O que me parece,olhando de fora,é que os cabo-verdianos estão mais exigentes,mais informados e,ao contrário do que possa parecer,estão também com uma maior consciência política.Ou seja,querem e precisam mais do que música para ouvido.Os tempos exigem novas ideias para o país de modo a resolvermos os nossos problemas.Independentemente do partido.

2 comentários:

djoyamado disse...

Em relação a "ouvir" opiniões, para além das dos políticos e jornais, eu sugeria as dos bloggers.

Edy disse...

Também vou "ouvindo" alguns bloggers Djoy...