quinta-feira, 7 de maio de 2009

Um Estado Credor da Cultura?

Será aceitável que o Estado utilize "os meus" impostos para subsidiar um surfista (subsídio esse que vai se configurar num salário para o profissional poder,digamos,viver da sua profissão-surf)?
Um pedreiro ou um professor,por exemplo,poderão considerar injusto enquanto os surfistas ou alguns desportistas poderão apoiar esse subsído.E se aplicarmos esse mesmo raciocinio para o sector cultural: será justo ou ético o Estado subsidiar um artista plástico,um grupo musical,um cantor,um cineasta ou um escritor?È aceitável o Vadú,por ex.,receber um subsídio mensal do Ministério da Cultura para,livre da obrigação de ter de trabalhar para se sustentar,poder deste modo ter condições de desenvolver a sua arte?Muitos tendem a responder que,num país como Cabo Verde,o Estado tem de se prestar à essa função em alguns casos (pontuais?);o problema aqui é a grande maioria dos actores culturais que,por insuficiência do capital social,não conseguem ter acesso a esses mesmos "privilégios".Por outro lado,subsidia-se qual actor cultural:os Ferro Gaita ou o Xando Graciosa?Porquê  o teatro (um grupo ou um actor do teatro) e não a Tabanka?E se o grupo metal Primative solicitar um subsídio,quem vai achar legítimo esse pedido?Ou seja,quais os critérios para ser um subsídio-dependente do Ministério da Cultura?È aparecer na TV,nas rádios e ser bastante conhecido e "querido" no meio?
São questões essencialmente filosóficas cujas respostas dirá muito sobre o tipo de Estado que queremos,principalmente o Estado Social que queremos para o país.

7 comentários:

Amílcar Tavares disse...

Acho que o dinheiro seria melhor gasto se forem criadas/reabilitadas salas de espectáculos nos 22 concelhos.

Cursos artísticos de iniciação/especialização e a capacitação de promotores culturais também podiam ser contemplados.

Por fim, criar hábitos e combater a concorrência das telenovelas podia dar uma ajudinha à cultura.

A subsídio-dependência nunca funcionou. Nunca deu resultados.

Redy Wilson Lima disse...

Os primitive não tem nada de metal. Quanto à questão do teu post de momento não tenho resposta. Estou em momento zen depois de tantas barbaridades lidas nos comentários dos blogues.

Anónimo disse...

Pois é Edy, e depois tu dizes que eu sou mais liberal do que tu?!!

O que é este teu artiguinho senao uma profissao de fé liberal?

Saiste-me ca um grande maroto!

Temos que tomar conta do MPD e correr com todos esses sociais democratas que de vez em quando fingem ser liberais.

COmo escrevi algures, ou foi aqui?, dizia, mesmo o Tuta, que é vilipendiado por muita gente ignara, diante de mim era um socialista com os seus programas ditos de reforma liberal! Nunca houve liberalismo em Cabo Verde!

Al Binda

Edy disse...

Amilcar,boas ideias...faltou-te apenas mencionar a luta contra a pirataria (vulgo,cd´s e dvd´s piratas)...
Redy,como deves imaginar,não faço ideia de quem são os Primitive (nunca vi mais gordo!);mencionei-os porque li sobre eles no site de "heavy metal criolo".Muito me admira ver que alguns comentários nos blogues deixa um inconformado como tu neste estado,zen...
Olha que sim amigo Al Binda: continuo a dizer que és mais liberal do que eu!Sou um liberal,principalmente,nos costumes e também na economia;e,acho eu,é aqui que cada um de nós desvia para o lado oposto numa autoestrada:é que eu defendo e valorizo o papel do Estado e,parece-me,que o meu amigo tem outro entendimento...
Abraço aos 3

Anónimo disse...

Nao, nao Edy! Ja te falei que o proprio Adam Smith defendia apoio a medidas sociais através do Estado!

Claro que valorizo o Estado. Nao tenho nada a ver nem com o comunismo que desprezo, porque como sabes Marx prognosticava acabar com o esdtado, e nem com o libertarianismo, os radicais do liberalismo.

Sou um liberal classico que defende e valoriza o Estado enquanto arbitro, enquanto moderador, um estado de direito que faz as regras e depois deixa os individuos jogarem sem cometer errros, ou quando cometem o estado apita e marca falta sancionando!

Isso em termos de postura filosofica, e de responsavel trabalhador afincado que sou; tirando este aspecto, como dise, eu também gostaria que ficar a coçar os tomates, se houvesse um estado que estivesse la para nos dar tudo. So que alguém teria que pagar e um dia qualquer o dinheiro haveria de acabar. E depois?!

Ser Liberal, Edy, é muito facil: é nao nao gastar 2 euros quando se tem apenas 1 euro; é nao viver à custa da mulher que o homem mandriao chula, etc e tal. Simples, nao é?!

Al Binda

Edy disse...

Permita-me uma pergunta Al Binda:um social-democrata,que é liberal nos costumes (um democrata nos EUA,por ex.) pode ser também liberal na economia?Em caso afirmativo,podemos considera-lo um liberal?Se sim,o PAICV pode ter no seu seio um liberal?
Desculpa lá,acabei por fazer 3 perguntas...

Anónimo disse...

Edy, eu pessoalmente acho que ha uma contradiçao entre o ser social democrata e um liberal mesmo que fosse "nos costumes". Sabes porquê? Porque as filosofias politicas e ideologias têm uma historia.

Sem te fazer aqui uma liçao na matéria, começo por te lembrar somente uma coisinha; o Partido de Lenine era nos primordios um Partido social-democrata, que ja tinha subjacente essas doenças graves que sao comunismo, estalinismo, leninismo etc.

JA agora mesmo nos paises nordicos e no trabalhismo, os partidos sociais democratas, tinham inicialmente como principal base, os sindicatos de trabalhadores com toda a tralha de revindicaçoes sociais, quer dizer aqueles subterfugios inventados para o homem preguiçoso nao trablahar.

Sobre a equiparaçao que fazes de um social democrata com um democrata americano, aqui também comparas culturas politicas que nao têm grande coisa em comum.

Um democrata americano, é para a cultura ocidental europeia, um social democrata, mas o que esse mesmo democrata recusaria, porque onde vê a palavra social habitualmente ele está a ver o socialismo ou o comunismo.

La onde tens razao é quando dizes que um democrata americano pode ser "liberal" em economia. Mas dou-te razao, com uma reserva: é que nos Estados unidos toda a gente é em economia liberal, quer os democratas quer os republicanos.

E quando digo liberal, e penso que tu também, estamos a utilizar o vocabulario politico europeu. E' que como tu sabes ser liberal na Europa nao é a mesma coisa que ser liberal nos Estados unidos.

Um liberal nos Estados unidos é alguém que está à esquerda, digamos a ala esquerda do partido democrata, o que na Europa seria um esquerdista, uma esquerda radical ou uma esquerda caviar, esse que tu chamarias ser de esquerda digamos la socialista ou social democrata mas liberal nos costumes.

Mas isso é uma falacia meu caro e em termos de ciência politica ou filosofia politica nao quer dizer rigorosamente nada. E' uma fantasia.

Portanto essa pessoa nao pode ser um liberal no sentido classico do termo na Europa.

Enfim a tua ultima pergunta. E' claro que no PAICV pode haver alguem que é liberal, socialista, comunista tudo o que tu quiseres. Mas nao tem coerência nem para a pessoa nem para o partido que tem uma ideologia e uma linha politica, e que portanto nao deveria deixar entrar no seio alguem que defenda outra ideologia, outra filosofia...

Mas eu acho que isto tudo ja sabias Edy. So querias ver se encontras algumas contradiçao naquilo que defendo, mas para isso tens muito que procurar. Sou coerente até cha virar café". Sou um liberal, um homem responsavel, serio, trabalhador e um apaixonado da dialéctica que está permanentemente a resolver equaçoes mentalmente ou a construir e desmontar também mentalmente estratégias complexas que têm a ver com a vida do dia a dia, ou de coisas mais relevantes a nivel profissional ou muito simplesmente, como responder ao Edy se ele me perguntar tal ou tal coisa...

Al Binda