terça-feira, 23 de junho de 2009

Coisas da nossa Identidade

Em caboverde a tolerância e flexibilidade em relação à iniciativa individual é pouco aceitável. Tanto em relação ao êxito como,principalmente em relação ao fracasso. Quando alguém tem êxito na sua iniciativa, qualquer que ela seja, procura-se arranjar factores extra-individual ou supostas ligações “obscuras” para explicar esse êxito; quando uma iniciativa fracassa, essa pessoa é ridicularizada e,principalmente, gozada pela sociedade. Ficamos com ciúmes do sucesso dos outros e vangloriámo-nos com fracasso dos outros. É assim que aqueles cuja religião era diminuir as iniciativas e visibilidade do Abrãao Vicente podem ter ficado contente com o fim do programa 180%; é assim que seja normal que uma grande maioria considere que a riqueza do Scapa é de origem duvidoso e é assim que todos nós achamos que, aqui neste nosso país, o sucesso profissional de alguém, principalmente se for um jovem, só pode ser explicada pela cunha e apadrinhagem político. Alguns dizem que isso é um fenómeno inevitável em todas as sociedades. Acho que talvez seja verdade nos países latinos ou naquelas que sofreram grande influência latina. Ora, como é que se muda isso? Terá a religião dominante numa sociedade influência nisso? E a Educação, aquilo que nos é incutido nas escolas desde criança,como pode mudar isso?Estamos condenados a viver com essa mentalidade?Estamos condenados a ser assim?

7 comentários:

Redy Wilson Lima disse...

Respondendo a tua questão, sinceramente, não sei onde conheceste os religiosos da tal seita que querem apagar Abraão Vicente, que goste-se ou não, tem mérito em muito o que fez e pelo que parece foi injustiçado pela ousadia. Estou de acordo quando dizes que em Cabo Verde tende-se a desvalorizar o sucesso individual ou o empreendorismo de alguns empresários, mas amigo... acreditas mesmo no trabalho árduo do Scapa terra-a-terra na construção da sua riqueza? Se me falares em pessoas como um Serbam, família da Adega, a senhora proprietária dos barcos de pesca da Calabaceira que não recordo o nome, e alguns tantos outros que amealharam o seu rico dinheirinho através do empreendorismo defendido por vós aqui, a conversa era outra.

Nhu Naxu disse...

Redy,acho que não defendi o trabalho árduo do Scapa nem as "virtudes" do Abrãao Vicente,não interessa aqui se a riqueza dele é ou não merecido ou o mérito do Abrãao Vicente.O que disse é que,aqui no país,TEMOS,nós todos,a mania de desvalorizar a iniciativa de quem tem iniciativas.O Abrãao Vicente e o Scapa,serviram aqui unicamente como exemplos(no lugar deles,podia falar no,por ex.,Calú-o dos supermercados,no Gualberto do Rosário,etc).Outro exemplo: veja as reacções,contra e pró,depois da entrega do prémio ao Arménio Vieira...ah,amigo,existe outras formas legais de se enriquecer para além do trabalho terra-a-terra,como dizes:é a especulação!
Vendo que,as 2 pessoas em causa não são a causa deste post,constato que afinal não respondeste as perguntas do post (logo no fim do post).
Abraço

Anónimo disse...

O êxito e o fracasso de um qualquer cidadão em Cv depende sempre de factor X (incógnito), quando menos o esperamos ele aparece surgindo do "nada" aparentemente.
Parece-me que,infelismente, é assim em todo o lado. Só que é mais acentuado nos países onde o Governo/poder Político na situação é o maior empregador (financiador)da nossa sobrevivência.
Não estamos condenados a viver assim. Estariamos condenados a viver assim ad aeternum se não se ouvisse reações e algumas indignadas como neste caso do fim do 180º.

Redy Wilson Lima disse...

Naxu, é um problema de mentalidade, só isso, Uma vez um amigo me disse o mesmo que escreveste no teu post e concordei na íntegra. Olha, não é apenas um caso específico de nós, e referiste isso, mas torna-se evidente que em sociedades mais pequenas isso é mais saliente. Como se muda isso? não sei, mas a inveja é um culpado aqui. Para teres uma ideia, como falaste em Calú, sabias que existe boatos que o homem dos super-mercados tem Djoy por trás? O boato vem de gente que se pode dizer elite... lá está... o Bourdieu que o nosso amigo Al Binda detesta diria que se trata de uma estratégia de distinção, com o objectivo de conservar o status. É como dizes... aqui ser empreendedor de sucesso sem ser conotado com alguma coisa é complicado. Os proprietários de grandes terrenos são acusados de ter um antepassado ladrão ou explorados colonial. Somos assim... há que saber contornar a coisa e chutar para a frente. Merton fala em inovadores, mas aqui estamos a ir para as coisas ilegítimas, contudo só é inovador quem tem iniciativa e é esperto/inteligente. Agora pergunto-te: e devemos valorizar os inovadores nos termos defendidos por Merton? Respondendo já diria que sim, porque teve coragem de seguir em frente e fintar o sistema. O problema aqui está na ética, mas a vida é mesmo complicada.

Lena disse...

A pressa em julgar... há um post no Con(ou sem)tigo que adivinho sobre isso.

Anónimo disse...

Oh Naxu diz ao Redy que abomino o Bourdieu porque ele era um calaceiro. Ele nao era empreendedor nenhum. Passava a vida a escrever "misérias" sobre aqueles que produzem, que criam riquezas e que lhe davam de comer, pois Bourdieu como funcionario recebia o seu salario porque os empreenderores pagavam impostos.

Mas ha uma coisa que escapa (nao é um jogo de palavras com o scapa) ao Redy: ele ainda nao se deu conta que ele, eu, tu, Edy e muitos outros, até o mondronguinho, somos todos empreendedores.

Sim, sim, quem é que nos paga por estarmos aqui a alimentar debates sobre a vida politica em CV e nao so?! Quem é que me paga pelos autores que cito, pelas ideias de leituras que dou, pelas criticas que faço ao Ey ao REDY, obrigando-os a aprimorarem nas suas escritas, como medo que eu lhes malhe em cima?

O que fazemos é empreendorismo de ideias; as ideias valem ouro. Quem vai-nos pagar por este trabalho?

Responde la oh Redy, tu que és sociologo? Relembro-te que disseste que eu nao compreendo nada de sociologia. Mas a verdade é que quem fala com Habermas sou eu e vê la tu Redy, até com o teu amigo Bourdieu. Sim, sim fartei-me de ir ouvir o gajo no Collège de Philosophie, ali mesmo onde me encontrei com Habermas, Dworkin ... enfim calo-me porque ainda vem aí o Edi falar-me em "garganta". E' é, quando é um preto crioulo a falar diz-se que ele tem garganta, mas quando é um branquinho, os patinhos dos crioulos batem palmas em sentido!

Al Binda

文章 disse...

餐飲設備 製冰機 洗碗機 咖啡機 冷凍冷藏冰箱 蒸烤箱 關島婚禮 巴里島機票 彈簧床 床墊 獨立筒床墊 乳膠床墊 床墊工廠 產後護理之家 月子中心 坐月子中心 坐月子 月子餐 銀行貸款 信用貸款 個人信貸 房屋貸款 房屋轉增貸 房貸二胎 房屋二胎 銀行二胎 土地貸款 農地貸款 情趣用品 情趣用品 腳臭 長灘島 長灘島旅遊 ssd固態硬碟 外接式硬碟 記憶體 SD記憶卡 隨身碟 SD記憶卡 婚禮顧問 婚禮顧問 水晶 花蓮民宿 血糖機 血壓計 洗鼻器 熱敷墊 體脂計 化痰機 氧氣製造機 氣墊床 電動病床 ソリッドステートドライブ USB フラッシュドライブ SD シリーズ